sábado, 14 de janeiro de 2017

Viste a Nossa Casa. Somos uma Referencia neste Mercado

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Exmo(a) Senhor(a):

A Confederação do Desporto de Portugal vem por este meio informá-lo(a) que está agendada a realização da ação de formação "Treino da Liderança para Treinadores", para os próximos dias 11 e 12 de Novembro de 2016, no Porto.
Esta ação pretende dotar os formandos de melhores competências comportamentais e habilidades no âmbito da liderança, bem como a capacidade de treinar-se a si próprio, identificando e construindo um plano de desenvolvimento individual.
Obtenha mais informações sobre esta formação na respetiva página de divulgação e não deixe de aproveitar a primeira fase de inscrição até ao dia 26 de Outubro de 2016.

PRÓXIMAS FORMAÇÕES

22 de Outubro – 
Detecção e Identificação do Talento Desportivo, Setúbal

28 e 29 de Outubro – 
Gestão da Organização Desportiva, Lisboa

29 e 30 de Outubro – 
Bodyboard: Prática e Ensino, Porto;

11 e 12 de Novembro – 
Nutrição e Suplementação na Vela, Belém;

18 e 19 de Novembro – 
Ser Treinador: Motivar, Lisboa;

Contamos com a sua presença.

Mais informações em página de divulgação 

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Ser treinador de camadas jovens.

O Futebol, enquanto desporto de massas e como fenómeno social, deve ser observado em função da capacidade de intervenção na rentabilização desses níveis motivacionais dos jovens, para valorização do processo de transmissão de valores fundamentais ao desenvolvimento da sociedade atual.
Por outro lado, as características do jogo de futebol têm sofrido uma enorme transformação. Este aumentar de interesse e de mediatização da modalidade aparece associado a um maior número de investigações científicas em torno desta modalidade e, consequentemente, de novas formas de pensar e agir no treino e no jogo.
Esta evolução ao nível dos conhecimentos científicos e do entendimento do Futebol resultou na melhoria dos métodos de treino e da qualidade do jogo. É neste contexto complexo, e no reconhecimento da contribuição fundamental do papel do treinador nestas duas dimensões fundamentais do desenvolvimento dos jovens praticantes – desenvolvimento do conhecimento do jogo e formação pessoal, que reconhecemos que o treinador deve ser visto como mais do que um simples técnico que apresenta exercícios, mas também um educador que desempenha funções de pedagogo e de agente transmissor de valores éticos, morais e sociais.
O sentido de responsabilidade, a procura de novos conhecimentos, o desenvolvimento de novas competências, a capacidade de reflexão e a adequação da sua intervenção profissional às diferentes situações, fazem parte desse processo complexo que é ser treinador de jovens.
Torna-se fundamental assumir que a prática desportiva por parte do jovem atleta, deve estar associada a uma forte componente de desenvolvimento desportivo e pessoal. Por outro lado, esta realidade só será possível se o principal agente formador, diga-se treinador, possuir competências e conhecimentos que lhe permitam promover a formação integral do Homem no seu todo.
Finalmente, não basta ao treinador colocar o jovem praticante a fazer determinado exercício tempo infinito, sem que lhe transmita o objetivo, a forma do bem - fazer e a finalização. Só desta forma o jovem conseguirá atingir o objetivo principal do treino realizado. Não esquecer que o resultado final do jovem praticante é o produto da ação do seu treinador. 

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Relação entre Treinador e Atleta Amador

O adolescente é cobrado pela sociedade quanto à escolha profissional, e o papel que irá representar com determinado valor no grupo social, para ser valorizado e respeitado. O treino para ações concretas e voltadas para a vida profissional é de fundamental importância para as necessidades do adolescente.

O aprendiz de futebol pode não consistir na precisão de números de tarefas, mas na espontaneidade de todo o organismo do jogador e a coordenação das interações que une todos os jogadores ao grupo e no tempo. Essa busca primeiramente deve ser estimulada pelo educador, dada a importância de liberar a criatividade e plasticidade” - (ELMOR, 2002).

    Os treinadores podem expressar e apresentar vários tipos de comportamento, de acordo com a sua personalidade. Por exemplo: disciplinadores, pontuais, autoritários ou exigentes; organizados, dando ênfase aos aspetos pedagógicos e metodológicos, respeitando as regras morais e éticas. E no extremo temos os treinadores liberais, exclusivistas e intuitivos, mas são vaidosos não aceitam opiniões (CARRAVETTA, 2002).
No entanto para se trabalhar em categorias de base ele precisa de ter algumas características, como por exemplo: ser alegre e bom transmissor de conhecimentos e valores para que possa promover no atleta uma participação motivadora nos diferentes treinos- (DOSIL, 2001). Sendo muito próximo dos atletas, exerce influência no comportamento dos mesmos. Pode ser técnico, educador, conselheiro e líder (CARRAVETTA, 2001).
A maneira como um técnico se comporta frente à sua equipa, está intimamente associado aos comportamentos de seus atletas refletindo na relação social e execução das tarefas (CARVALHO; RODRIGUES; SIMÕES, 1998).
Para o treinador que trabalha com jovens atletas é necessário que tenha uma teoria de treino que também atenda as necessidades e interesses dos mesmos (HAHN, 1998).
É preciso esclarecer quais são os objetivos trabalhados e fundamentalmente compreender que os modelos do desporto são diferentes nos atletas infantis em relação ao profissional. O fundamental é o desenvolvimento como pessoa, que saiba ganhar e perder (NUÑES CARDENAS, 2005).
O técnico influencia muito na educação dos atletas, não se limita apenas a transmissão dos conhecimentos para um melhor rendimento destes, ele é o facilitador da realização do atleta como ser humano (MARQUES; KURODA, 2000).
O educador poderá ser um pai (mãe), orientador(a) ou treinador(a), que procura integrar a transmissão de conhecimento com a necessidade do atleta reconhecer sua realidade para que possa desenvolver um senso crítico para transformá-la (ELMOR, 2002).
A função de treinador é difícil, mas também poderá ser gratificante no que se refere a vencer as competições e também proporcionar um clima de crescimento individual e grupo para seus atletas (BECKER JUNIOR, 2000).
 
Por fim o Treinador deverá ser acima de todo: Humano, Criativo, Alegre, Critico, Sensato, Ponderado e Expressivo em todas as suas abordagens que faça junto do seu atleta.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Quarta feira chuvosa...




















Quarta feira chuvosa, mas nem por isso a preguiça dominou. Treino matinal!